O QUE PODE CUSTAR PARA SUA EMPRESA NÃO TER PRÁTICAS ESG? Nilson Pickler 22 de agosto de 2023

O QUE PODE CUSTAR PARA SUA EMPRESA NÃO TER PRÁTICAS ESG?

 

 

 

 

 

A gestão de produtos químicos perigosos é especialmente pensada para garantir a segurança de todos aqueles expostos a locais que ofereçam riscos a partir desses produtos. 

Assim, ao resguardar a saúde de trabalhadores, consumidores, equipes de segurança e do público, a gestão de produtos deve ser padronizada, objetiva e adequada, para tal, a Lei n° 10357 de 2001 estabelece todas as normas de controle e fiscalização.

Como iniciar a gestão de produtos químicos perigosos

Elaborada especialmente para segmentos industriais como o petrolífero, o químico, a indústria da beleza, os produtos agrícolas, os produtos de limpeza, a indústria farmacêutica, a indústria de plástico e outras que trabalham com a manipulação de produtos químicos, a gestão de produtos químicos perigosos é algo fundamental.

Dividida em quatro etapas – o planejamento, a execução, a verificação e a ação – a gestão de produtos químicos perigosos é capaz de identificar não somente os riscos à saúde humana, como os inúmeros impactos de algum produto e/ou ação para o meio ambiente.

De modo geral, é possível destacar ao menos 8 ações importantes para a realização da gestão de produtos químicos perigosos:

  1. Armazenamento: o local onde os produtos são guardados deve ser ventilado, sinalizado e separado da área administrativa;
  2. Inventário: serve para conhecer os requisitos legais de utilização do produto;
  3. Incompatibilidade: indica o que torna esses produtos perigosos em diversas situações;
  4. Ficha de informação: é a FISPQ, documento normalizado pela ABNT que possui todas as informações sobre um produto;
  5. Rotulagem: identifica o produto a partir de sua solução, produto principal, secundário, usuário, procedência, data e Diagrama de Hommel;
  6. Redução de riscos: indica ações de prevenção, minimização de riscos e proteção;
  7. Descarte: coordena, supervisiona e assessora o gerenciamento de resíduos e
  8. Emergências: prevê quais as medidas a serem tomadas em emergências, tais como o uso de extintor, de agentes absorventes e o uso de API.

O conhecimento sobre as propriedades e riscos dos produtos químicos perigosos pode evitar uma série de problemas e, apesar de parecer um assunto distante do nosso cotidiano, é importante lembrar que os grupos tóxicos mais comuns estão mais perto do que se imagina.

Plásticos, plastificantes, retardadores de chamas, biocidas, pesticidas, POPs, metais pesados, EDCs e CMRs são compostos que frequentemente rondam nossas vidas, por isso, a gestão de produtos químicos é tão importante!

Apontamentos sobre esse tipo de gestão

As tarefas para uma boa gestão de produtos químicos são inúmeras e todos possuem contribuições expressivas em atividades como:

  • ESG – trata-se de boas práticas referentes ao índice ambiental, social e de governança de uma empresa;
  • Modelos preventivos de contenção – estipula planos de contenção ágeis e eficazes para possíveis acidentes;
  • Transporte – estabelece as normas e padrões referentes ao transporte dos produtos, garantindo a segurança de todos os envolvidos e
  • Armazenamento e resíduos – determina quais as regras de armazenamento de produtos e o que deve ser feito com os resíduos resultantes do processo industrial.

Ao proporcionar rigor e segurança, a gestão de produtos químicos perigosos deve ser amplamente divulgada, estudada e colocada em prática pelas indústrias brasileiras.

Escreva um Comentário!
Your email address will not be published. Required fields are marked *